NOVIDADE 2019

Vem aí o novo livro "A Maria dos Mochinhos na aventura das emoções" (Costa, 2019). A aventura explora 6 emoções básicas: alegria, medo, raiva, tristeza e surpresa. O livro irá pertencer ao novo Kit Missão Emoção II (Lançamento em Maio 2019). O mesmo será composto por dois jogos e uma atividade para trabalhar as 6 emoções básicas em conjunto com o livro.  

O PROJETO E MARCA "MOCHINHOS DA SABEDORIA"

Desde os anos 90 que o conceito de Inteligência Emocional (IE) tem vindo a ser valorizado e considerado peça fulcral para o sucesso. A investigação científica nesta área mostra que a IE é um componente fundamental ao sucesso intrapessoal (relação comigo) e interpessoal (relação com o outro). Assim, podemos concluir que ter habilidades da IE desenvolvidas corresponde a uma boa saúde mental e maior atenção sobre o que "eu sinto" (as minha emoções).

Desde os tempos da Grécia antiga que o racional foi sobrevalorizado em relação à emoção. Há mais de dois mil e quatrocentos anos que o nosso cérebro emocional tem sido depreciado, transformando as nossas emoções numa espécie de "bode expiatório" de todas as más decisões tomadas. A nossa cultura ocidental ensinou-nos a abafar as nossas emoções e até a desconfiar delas! Em 1982, com os avanços das neurociências, António Damásio demonstrou que uma pessoa sem emoções seria incapaz de tomar as melhores decisões.

Na sociedade portuguesa, a prevenção na área da saúde mental não tem sio suficientemente tido em conta, para além da sobrevalorização das capacidades cognitivas (Quociente Intelectual) em detrimento das capacidades de gestão emocional (Quociente Emocional). As estatísticas mostram que temos uma população com altos níveis de perturbações emocionais (ansiedade e depressão), bem como um consumo alto de ansiolíticos e antidepressivos.

Estes dados demonstram a necessidade de intervenção primária com programas que possibilitem o desenvolvimento das habilidades que compõem a IE e assim uma melhor regulação e gestão emocional. Numa era cada vez mais competitiva em que a eficiência, a liderança e a criatividade marcam a diferença devido aos avanços tecnológicos, denota-se necessário que haja uma aposta nos programas e materiais de gestão emocional ao nível intra e interpessoal.