Uma nova pesquisa descobriu que as regiões do cérebro que ajudam a otimizar o funcionamento social também são importantes para a inteligência geral e a inteligência emocional. Esta descoberta sugere que a inteligência geral emerge do contexto emocional e social da vida de uma pessoa.

Funções intelectuais humanas originam-se do contexto social da vida quotidiana

“Estamos a tentar entender a natureza da inteligência geral e até que ponto as nossas habilidades intelectuais estão baseadas em habilidades cognitivas sociais”, disse Aron Barbey, professor de neurociência da Universidade de Illinois. Conforme relatado na revista Brain, estudos em psicologia social indicam que as funções intelectuais humanas originam-se do contexto social da vida quotidiana: “Numa fase inicial do nosso desenvolvimento, dependemos de relações sociais – aqueles que nos amam cuidam de nós quando, de outra forma, estaríamos desamparados”  (…) “A interdependência social continua na idade adulta e permanece importante ao longo da vida”, diz Barbey.

 

No estudo, os pesquisadores estudaram 144 veteranos do Vietname feridos por estilhaços ou balas que penetraram no crânio, danificando tecidos cerebrais distintos, deixando os tecidos vizinhos intactos. Usando tomografia computorizada (TC), os cientistas mapearam meticulosamente as regiões afetadas do cérebro de cada participante e, em seguida, reuniram os dados para construir um mapa coletivo do cérebro. Os pesquisadores usaram uma bateria de testes cuidadosamente projetados para avaliar as capacidades intelectuais, emocionais e sociais dos participantes. Procuram por padrões que vinculavam os danos a regiões específicas do cérebro a défices na capacidade dos participantes de navegar nas esferas intelectual, emocional ou social. A solução de problemas sociais nesta análise envolveu principalmente a resolução de conflitos com amigos, família e colegas de trabalho. Como nos seus estudos anteriores de inteligência geral e inteligência emocional, os pesquisadores descobriram que as regiões do córtex frontal (na parte frontal do cérebro), o córtex parietal (mais para trás, perto do topo da cabeça) e os lobos temporais (dos lados da cabeça atrás das orelhas) estão todos implicados na resolução de problemas sociais. As regiões que contribuíram para o funcionamento social nos lobos parietal e temporal estavam localizadas apenas no hemisfério esquerdo do cérebro, enquanto os lobos frontais esquerdo e direito estavam envolvidos. “As redes cerebrais consideradas importantes para a adequação social não eram idênticas àquelas que contribuem para a inteligência geral ou emocional, mas havia uma sobreposição significativa”, disse Barbey.

 

Conclusões

De acordo com os autores, existe uma arquitetura de processamento de informação integrada no cérebro, que a resolução de problemas sociais depende de mecanismos que estão envolvidos para a inteligência geral e a inteligência emocional. Isso é consistente com a ideia de que a inteligência depende em grande parte das habilidades sociais e emocionais, e devemos pensar sobre inteligência de uma forma integrada, em vez de fazer uma distinção clara entre cognição, emoção e processamento social. O autor acrescenta: “Isso faz sentido porque as nossas vidas são fundamentalmente sociais – direcionamos a maior parte dos nossos esforços para compreender os outros e resolver conflitos sociais. E o nosso estudo sugere que a arquitetura da inteligência no cérebro pode ser fundamentalmente social também. ”

Bibliografia: Nauert, R. Emptional + Social = General Intelligence. PshyCentral, 2020. Disponível em https://psychcentral.com/news Acesso em 28/09/2020.

 

Portes Grátis
em toda a Loja Online!

É mesmo verdade! Todas as tuas encomendas serão de transporte gratuito!

+ 5% Desconto na tua 1ª Compra!

Compra Agora