Mochinhos a refletir: é tudo uma questão de neurotransmissores! Dopamina e GABA

Há uns anos para cá desenvolvi uma verdadeira paixão pela química do cérebro: os neurotransmissores. Envolvidos em sensação. perceção, movimento, aprendizagem, emoção.... em muita coisa que nos torna humanos! Daí sentir um verdadeiro fascínio por este tema e não sou a única. Foi delicioso ouvir as palavras da pedopsiquiatra Dr.ª Ana Vasconcelos aquando de umas jornadas sobre o tema do Neurodesenvolvimento, "os neurostransmissores são um aspeto fulcral de todo e qualquer comportamento humano"! Daí ser um ponto de partida e de chegada para intervir junto de pessoas que pensam e sentem... Como funciona esta parte biológica que "lidera" pensamentos e emoções? O cérebro tem uma verdadeira tarefa que exige uma constante dedicação: equilibrar os neurotransmissores para um bom funcionamento, mas será que podemos ajudar a este equilíbrio?? Como?! Vamos explorar em dois artigos, a Dopamina e GABA. Numa segunda a Serotonina e Acetilcolina. 

Dopamina - químico do prazer

Importante para:

  •  Movimento, memória, recompensa positiva, sono, aprendizagem, comportamento e cognição, atenção, inibição e humor. 

A dopamina é responsável pelo "sim vamos fazer isto!" porque como há recompensa de um determinado comportamento, a dopamina "quer repetir". Quando se tem alterações da dopamina acontece o seguinte:

  • Dificuldade no controlo: cognitivo, da atenção, dos impulsos e da memória de trabalho (já repararam que são muitos dos sintomas da PHDA?

Onde se encontra a dopamina?

  • Em partes periféricas do sistema nervoso; inibe a Norepinefrina (a dopamina relaxa); equilíbrio do sódio na urina; reduz a insulina no pâncreas; No sistema digestivo, reduz a motilidade gastrointestinal e protege a mucosa instestinal.

Sintomas de excessos de dopamina e insuficiência

Em excesso:

  • Movimentos desnecessários, tiques repetitivos, psicoses, hipersexualidade, náuseas,  Nota: os antipsicóticos são antagónicos da dopamina (querem reduzi-la no cérebro).

Em insuficiência:

  • Causa sintomas negativos da esquizofrenia, sofrimento, doença de Parkinson, PHDA, aumenta a rigidez, altera a flexibilidade cognitiva, síndrome das pernas inquietas, sintomas de depressão, tais como:cansaço, apatia (incapacidade para sentir prazer), procrastinação (arte de adiar as tarefas), libido baixa, problemas de sono, alterações de humor, falta de esperança, perda de memória, incapacidade de concentração. 

O que devemos comer para repor dopamina?

  • Uma dieta rica em magnésio e tirosina ajudam na produção da dopamina. Segue uma lista de alimentos que também podem ajudar: frango, amêndoas, maçãs, abacate, bananas, chocolate, beterraba, vegetais, chá verde, feijão, aveia, melancia, açafrão, sementes de abóbora e sésamo.

Princípio ativo antagónico da dopamina: 

  • Paliperidona, Haloperidol, olanzapina.

Princípio ativo agonista (em casos de doença de Parkinson, sintomas negativos da esquizofrenia e o síndrome das pernas inquietas):

  • Pramipexole, Ropinirole.

Nota: Um paciente com esquizofrenia que tome 1 de cada tipo, quer dizer que um irá anular o outro! Daí a medicação ser receitada com cuidada para não fazer um efeito contrário, nomeadamente ao nível dos neurotransmissores!



GABA - o químico do relaxamento

Importante como: 

  • antisiolítico, anticonvulsão; O GABA é um neurotransmissor de inibição, 40% das sinapses no cérebro humano trabalha com GABA ou tem recetores de GABA.

Sintomas de excessos de GABA e insuficiência

Em excesso:

  • Excesso de sono; respiração superficial; pressão sanguínea alta.

Em insuficiência: 

  • Ansiedade, depressão, dificuldades de concentração, insónia.

O que devemos comer para repor GABA? 

  • Amêndoas, nozes, tomates cherry, banana, arroz integral, batata, aveia, lentilhas, vitamina B6 (se deficiente pode prejudicar a produção de GABA).

Princípio ativo que potencia:

  • Normalmente tem efeito relaxantes, pelo que podemos considerar os ansiolíticos e anticonvulsivos.
  • Benzodiazepina e Barbitúrico.

Ideias a reter:

  • Os neurotransmissores são enviados para produzir uma reação que irá ajudar-nos a sobreviver a uma ameaça ou repetir um reforço.
  • Muito stress ou excitação por um longo período de tempo, irá implicar que o cérebro reponha o equilíbrio dos neurotransmissores relaxantes e iniba os excitatórios.
  • No final de um dia, precisamos relaxar como uma forma de dizer ao cérebro "Está tudo bem", para o mesmo interpretar a mensagem e inibir os químicos excitatórios. Nesta perspetiva, que tal experimentar práticas de atenção plena (Mindfulness)? Está comprovado cientificamente que criar um "espaço" para respirar e nos focarmos permite uma sensação de bem-estar, tendo efeitos diretos na química do nosso cérebro. 
O mundo dos neurotransmissores é ou não é mágico? Aguardemos por outro artigo sobre a Serotonina e Acetilcolina. 

 Texto traduzido e revisto por Sandra Costa.

Fonte e adaptação:  Dawn & Snipes (2016). Neuropsychobiology: dopamine, GABA, Serotonin; Acetylcholine. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=nMuuCS2h5IE&t=1798s